Apetite Natural

Vegetarianismo, nutrição, reeducação alimentar, receitas, curiosidades e dicas.

Patê de Castanha de Caju

patê Um patê muito fácil de fazer, precisando apenas de um liqüidificador ou um processador para misturar todos os ingredientes. Para aqueles que gostam de um sabor “agridoce” como eu, recomendo adicionar a tâmara! Para quem não gosta de misturar sabores, substitua a tâmara por ervas como salsinha, cebolinha, etc. Algumas pessoas gostam de bater junto no patê coco fresco ralado… Esse patê, dura apenas alguns dias  na geladeira! Fresco é sempre melhor! Sugestões de consumo:

  •  com cenouras, pepino e salsão em tirinhas como aperitivo;
  • com bolacha salgada com tomate+cebola picadinhos;
  • com pão fresco ou torrado, combinando outros veggies para rebuscar o sanduíche =)

A castanha de caju faz bem à saúde: –  Proteína – Vitaminas: E, K, Tiamina, Riboflavina, Niacina, B6, Folato, Acido Pantotênico – Minerais: Cálcio, Ferro Magnésio, Fósforo, Potássio, Zinco, Cobre, Manganês, Selênio

  1. Previne o Câncer (flavonóides presentes + cobre)
  2.  Faz bem ao coração (baixa em gorduras)
  3. Abaixa a pressão alta (magnésio)
  4. Cabelos sadios (Cobre)
  5. Ossos saudáveis (cálcio, magnésio)
  6. Nervos saudáveis (magnésio)
  7. Previne pedras na vesícula biliar (reduz o risco em 25% se consumida diariamente)
  8. Ajuda na perda de peso (contém o bom colesterol)
  9. Antioxidante (selênio, cobre, magnésio auxiliam as enzimas no processo)
  10. Auxilia na digestão
  11. Dentes e gengivas sadias (magnésio)
  12. Depois da menopausa, proporciona um sono relaxante à noite
  13. Radicais livres ( ajuda nosso corpo a utilizar o ferro apropriadamente e assim eliminar esses inimigos)
  14. Fortalece a proteção dos olhos contra os raios UV.

Mais motivos para gostar de castanhas de caju? Faça o Patê, faça leites, coma após o almoço (sem torrar, cru é mais gostoso e saudável), hidrate por algumas horas e coloque nas saladas, no arroz, em tortas, em recheios variados… e viva com qualidade  =)

Germinando Grão-de-Bico em casa!

graodebicogerminado

 

O grão-de-bico com seu sabor suave complementa qualquer refeição e dá corpo às receitas devido à sua textura. Possui um ótimo valor nutricional para todas as idades incluindo:

** ômega 3 ** Proteína

** Vitaminas: A, C, E, K, Tiamina, Riboflavina, Niacina, B6, Folato, Acido Pantotenico, Cholina

** Minerais: Cálcio, Ferro, Magnésio, Fósforo, Potássio, Sódio, Zinco, Cobre, Manganês, Selênio

Também é rico em isoflavonóides que têm ação ** Antioxidante  ** Anti-cancerígeno ** Anti-inflamatório ** Auxilia nos sintomas da Menopausa ** Reduz o Colesterol ligado à problemas cardíacos e derrame ** Reduz o risco de câncer de mama e próstata.

Além disso o grão-de-bico é baixo em calorias o que auxilia em dietas sem perder vitaminas e minerais essenciais à saúde.

Porém, quando germinado essas propriedades são multiplicadas em 100x mais, ou seja, preparado cru ou cozido o grão-de-bico será uma bomba nutritiva para nós.

Como germinar? Muito fácil:

  • 1 copo de grão-de-bico cru
  • água

1) Deixe de molho o grão-de-bico em água durante a noite inteira (deixe aproximadamente 16 horas).

2) Escorra a água e enxágüe bem e coloque os grãos em uma peneira – coloque uma panela vazia embaixo para não pingar água =)

3) Tampe com um guardanapo de pano.

4) Esporadicamente enxágüe os grãos com água corrente, e volte a cobrir com o guardanapo.

No dia seguinte espere um pouco e eles ficarão mais ou menos assim:

germinado

 

 

Ai! Eu achei uma gracinha! No final do dia os brotos estavam maiores. Eu deixei os brotos crescerem por mais 1 ou 2 dias fora da geladeira enxaguando-os esporadicamente durante o dia e voltando a cobrir com o pano.  Eles duram na geladeira submersos em água até 1 semana, trocando a água todos os dias de manhã.

E então eu fiz uma sopa de legumes usando o grão-de-bico germinado, que antes era 1 copo, e após germinar viraram mais copos 😀

sopagerminadaAA

Eu piquei todos os ingredientes em pedaços pequenos para não precisar cozinhá-los por muito tempo na pressão, então somente 10 minutos depois que pega pressão na panela e os veggies já estarão macios para bater.

Não coloquei muita água para a sopa, depois de batida, ficar espessa e confortante 😀

sopagerminada

O resultado ficou delicioso 😀

 

 

 

Macarrão de Berinjela

Imagem

Com essa receita temos 2 opções: Fazê-la toda crua (como no meu caso) ou cozida! A maneira que escolher fazer vai ficar gostosa do mesmo jeito – somente a cobertura permanece crua se escolher cozinhar a receita!

Quando eu estava comendo, estava tão gostoso que eu tive a impressão de estar comendo algo que não devia… mas tudo era permitido =)

Receita cheia de vitaminas, proteínas, gorduras do bem, e minerais! Quer mais?

Vamos aos ingredientes:

ingredientesberinjela

Se não quiser usar a berinjela por algum motivo, dá pra fazer o mesmo com abobrinha, sem precisar deixar de molho com água e sal 😀

Imagem

Para tirar o gosto amargo da berinjela precisa deixá-la de molho em água com sal por pelo menos 20 minutos!

Enquanto isso, fazemos o molho:

Imagem

Eu usei o molho cru, pois o alho e a cebola deixam o molho “picante” =)  Mas após triturar tudo, pode também ser aquecido até ficar na temperatura que quiser!

Vamos preparar a cobertura:

Imagem

A semente de pinus se não for encontrada pode ser substituída por alguma castanha de sua preferência – experimente a castanha de caju crua.

Após os 20 minutos de molho, a berinjela irá ter desidratado um pouco, o que é normal! Enxagüe bem para não ficar nada amargo. Eu misturei um pouco de óleo de coco, mas podes usar também o azeite de oliva! Eu aqueci por 2 minutos (para ainda continuar crua) apenas para ficar mais macia! Mas existe a opção de refogar a berinjela para ficar cozida!

Imagem

Agora é só montar o “macarrão”:

Imagem

E bom apetite!

Imagem

O Delicioso e saudável “Baek Kimchi” – Kimchi Branco

Imagem

A primeira vez que eu comi Kimchi foi dentro do avião, quando ainda trabalhava de comissária de bordo. Estávamos indo para a Coréia do Sul. O menu do vôo era todo coreano, incluindo o Kimchi! Descobri que o Kimchi é consumido em pequenas porções em praticamente todas as refeições na Coréia: com o Bibimbap, com arroz, com sopa, com sushi, no café da manhã, no almoço…  e é delicioso.

E existem várias receitas de Kimchi!  E basicamente existem 2 tipos diferentes: O Kimchi vermelho – apimentado com a pimenta vermelha em pó e a pimenta dedo de moça –  e o Kimchi Branco – menos apimentado, ou sem pimenta nenhuma.

Em ambos os casos o que me atraiu foi o fato de ser muito saudável, pela existências das Bactérias do Ácido Lático (probióticos), chamadas “Lactobacillus kimchii”, e esses são os benefícios para a nossa saúde:

  • Auxilia na Digestão (para quem come carne, é uma grande ajuda para a digestão e a carne não fica parada no intestino);
  • Auxilia na quebra e absorção de nutrientes difíceis de serem digeridos (como no caso de alimentos que contém glúten);
  • Auxilia no tratamento contra a inflamação da Bexiga;
  • Auxilia o corpo a eliminar pesticidas presentes em alimentos consumidos e toxinas;
  • Aumenta a Flora Intestinal: um excelente remédio para matar os causadores da diarréia e problemas intestinais;
  • Auxilia no tratamento contra o Autismo, Diabetes e Acne;
  • Auxilia no tratamento contra câncer de bexiga, infecções pós-operatórias e intolerância à lactose, entre outros.

E Além disso, contém:

  • Vitamina A, Vitamina B1, B2,  Vitamina C
  • Cálcio, Fósforo
  • Proteína, Niacina
  • Lipídios
  • Baixo em calorias

O kimchi é semelhante ao famoso “Chucrute” Alemão (Sauerkraut), também fermentado porém apenas com água e sal. No caso do Kimchi o sabor é rico e complementa muito bem aquele prato principal. E você pode fazer em casa, e ter um suplemento probiótico para toda a família, e aquele socorro para a emergência de intoxicação alimentar.

Vamos fazer?

Ingredientes do Kimchi Branco – Baek Kimchi

Imagem

Os rabanetes podem ser substituídos pelo nabo. Eu particularmente prefiro com o nabo, porém às vezes faço com rabanete quando não acho nabo pra comprar no mercado! –>  como foi o caso desse kimchi aqui  😀

Corte a metade da adelga em 4 partes, sem cortar a base para não separar as folhas! Lave em água corrente, e coloque num refratário de vidro, para então salpicar o sal marinho.

Os outros vegetais (com excessão da maçã, pêra e parte do gengibre picado) lave-os e corte-os no comprimento em pedaços não muito finos e coloque-os juntos em outro refratário ou bacia e reserve.

Imagem

Salpique o sal marinho entre as folhas da acelga, aproximadamente 2 colheres de sal, e deixe descansar por 30 minutos (pode deixar até 2 horas no máximo), para soltar água.

Enquanto isso prepare os outros ingredientes:

Imagem

Bata no processador ou no liqüidificador as frutas descascadas juntamente com um pouco do gengibre picado, se quiser pode colocar alguns dentes de alho. Em seguida coe o suco e misture com um pouco de água. Essa mistura deve ser colocada sobre os vegetais que estão descansando.

Após o tempo de descanso, transfira a acelga e os vegetais para um recipiente esterilizado de vidro, com tampa (eu coloco os veggies entre as folhas da acelga! Não esqueça de colocar aqui também os líquidos que saíram dos vegetais. 😀

Cubra com o líquido todos os vegetais que estão no recipiente, para que todos fermentem de forma homogênea.

Imagem

 

De 1 à 3 dias deixe que o Kimchi fermente fora da geladeira. Se não quiser aquele cheiro forte de alho dentro da cozinha, coloque os recipientes fechados dentro de um saco plástico e então cubra com um pano, para ficar escuro. Após esse período leve os recipientes para a geladeira. Eu recomendo esperar 1 semana para abrir e consumir, mas isso é opcional.

Para incrementar o sabor do kimchi na hora de servir, pode temperar com pimentão picadinho ou em pó, com azeite de Gergelim, com wakami picado… aí é só usar a criatividade, eu como com saladas 😀

Como transformar um pão duro no delicioso “STUFFING”!

Imagem

Em um dos restaurantes que eu trabalhei na Irlanda, tínhamos que fazer “Stuffing” toda semana pois era consumido com frequência em sanduíches e para complementar as saladas. E era feito basicamente com aquele pão que tinha ficado duro.

O “Stuffing” na realidade significa “recheio”. Mas muitas vezes não é usado como recheio mas como prato principal! Esse prato feito como assado é muito popular em feriados de final de ano, e é servido com frutas secas e frescas, juntamente com os outros pratos.

Pode ser usado apenas granulado – para complementar saladas, rechear tortas, etc.,  ou assado –  compactado para poder fatiar. E é esse segundo modo que eu vou mostrar aqui, porém com algumas alterações na receita, pois a receita original é feita com uma quantidade grande de manteiga e pimenta, e então eu adaptei para ficar light, saudável e delicioso!

Vamos lá  =)

Imagem

Corte o pão que ficou duro em pedaços e bata no processador até ficar todo granulado como uma farofa. Eu usei 1 pão integral pequeno, exatamente do tamanho de uma forma de pão básica.

O ideal é não deixar virar pó, no caso, o bom é usar o pão que ficou duro mas que não esteja despedaçando, como aquele pão francês de padaria que esfarela depois de duro. O bom é usar o pão caseiro que endureceu, mas que ainda dá para fatiar.

Depois de batido eu misturei alguns ingredientes ali no processador:

Imagem

No caso da sobra do suco verde, pode ser usado folhas de espinafre e escarola picadas e colocar no processador.

  • Para quem gosta de frutas secas junto com a comida salgada, elas complementam o sabor do “stuffing” e é só adicionar um pouco dessas frutas secas depois de ter triturado os outros ingredientes no processador.
  • A cebola picada é essencial para esta receita! O azeite também! Não podem faltar!
  • As ervas também são muito importantes, e pode ser usada qualquer uma.
  • Os outros ingredientes podem variar de acordo com a vontade =)

Depois de tudo batido ficou bem fácil para colocar em uma forma e assar:

Imagem

  • Após triturar os ingredientes junto com o pão no processador, na verdade o “Stuffing” já pode ser utilizado. Podes misturar com a salada, na sopa, que já está bom 😀

Antes de colocar a mistura triturada na forma com o papel alumínio, pincele um pouco de azeite no papel alumínio para ficar fácil de retirar o assado sem quebrar. Pré-aqueça o forno. Asse por 30 – 40 minutos à 180 graus.


 

Enquanto isso, essa foi a salada que eu fiz para acompanhar:

Imagem

Salada crua com abacate fica deliciosa, sustenta e complementa qualquer tipo de prato!

Depois de tudo pronto a mesa ficou assim: simples e delicioso!

Imagem

 Bom apetite!

Vamos fazer Sushi?

Imagem

Para quem gosta de Comida Japonesa, o sushi é o coringa! Vai bem com vários acompanhamentos e recheios ou coberturas variadas, e deixa qualquer mesa bonita! Pode ser servido com o molho de soja – shoio – gengibre em conserva e wasabi.

Existem vários tipos de sushi, e esse que vou mostrar aqui é o Sushi Maki. Que consiste na alga – Nori – envolvendo o arroz juntamente com o recheio de sua preferência. Aqui o recheio é 100% veggie =)

Primeiro precisa ser feito o arroz de sushi, que consiste em cozinhar o arroz japonês sem óleo e com pouco sal (ou sem), com medidas iguais de arroz e água. Quando o arroz estiver macio (não mole) acrescente o vinagre de arroz e mecha suavemente o arroz para não emplastar. E deixe esfriar – ou abane com um leque até ficar frio.

obs.: neste aqui eu não usei o vinagre de arroz, mas usei 1 gota de azeite e cozinhei com alho – nem todos usam esse ingrediente. E algumas pessoas cozinham o arroz com uma alga chamada Kombu. Depois de cozido o Kombu é retirado, pois o que interessa é apenas o sabor misterioso que ele dá no arroz.  =)

Vamos lá!  😀

Imagem

Os acessórios são encontrados facilmente nos mercados na sessão japonesa ou em lojas especializadas.

Eu usei esses ingredientes para o recheio mas podes usar também: pepino, cenoura, abobrinha, alface, vagem, nabo, abacaxi, tomate seco, morango, pêssego, etc. todos cortados no comprimento para facilitar na hora de enrolar e cortar o sushi.

Imagem

Para o arroz não ficar grudando na mão, constantemente use a água para “untar” as mãos! Assim nada vai grudar e ficar aquela bagunça! Procure não deixar a alga molhada; não use a força pois a alga é bem crocante e frágil e pode quebrar!

Muitas pessoas usam muito mais arroz, mas aí é com você!

Imagem

Neste caso, eu usei bastante recheio, então depois de enrolado e cortado o sushi ficará “grande”. Podes usar mais arroz e menos recheio, podes usar 1, 2, 3 ou mais ingredientes como recheio! Sem problemas 🙂

Imagem

No início use os dedos para segurar o recheio, e devagar dê a primeira volta e segure. Não pressione ao enrolar para não esmagar o sushi e para não marcar ou rasgar a alga! Enrole com 1 mão e segure a esteira para a frente com a outra mão, fica bem fácil assim!

Imagem

A alga fica toda mastigada e rasgada se a faca não for molhada um pouco, antes de cortar. Movimente somente a faca, e apenas segure o sushi! Limpe a faca e molhe novamente para cortar a próxima fatia!

Imagem

Note que a alga não ficou marcada pelo bambu, e o sushi ficou bem compacto, sem espaços entre os recheios, isso é importante para não despedaçar tudo na hora de comer com o Hashi – palitinhos.

Imagem

ITADAKIMASU! 

Estava uma delícia!  =)

Receita do Iogurte de Soja feito com Probióticos!

Imagem

Ingredientes:

  • 1 copo de grãos de soja – orgânico.
  • 2 col de sopa de açúcar mascavo.
  • 1 coador não metálico.
  • Probióticos – pode ser 1/4 de colher de chá OU 1 cápsula, daqueles probióticos que deixamos dentro da geladeira, eu comprei o meu em uma daquelas farmácias de produtos naturais.
  • 1 colher de pau, cerâmica ou vidro.
  • 1 panela de cerâmica ou de vidro.

 NÃO USE NADA DE METAL, POIS OS PROBIÓTICOS MORREM EM CONTATO COM O METAL.

Passos:

  1.  SOJA ->  deixe de molho em água durante a noite.
  2. No dia seguinte, enxágüe bem e bata no liqüidificador com 3x de água (se deu 1 copo, serão 3 de água).
  3. Coe com coador de pano, de queijo, ou o que for mais prático (não metálico) para separar os resíduos.
  4. Esquente (NÃO FERVA) o leite na panela de cerâmica ou vidro até ficar morno, pois se estiver muito quente os probióticos morrem.
  5. Adicione o açúcar mascavo, misture bem  com a colher não metálica até dissolver.
  6. Acrescente os probióticos, se usar a cápsula é só abrir-la para então adicionar o conteúdo no leite. Misture delicadamente.
  7. Sele bem a panela: pode ser com papel filme e depois usar a tampa, e então cobrir com um pano para proteger bem. No meu caso eu não usei a tampa e sim apenas o papel filme, e depois cobri com um guardanapo para ficar bem escuro.
  8. Deixe em um lugar seco e protegido do frio – eu coloquei o meu dentro do forno.
  9. Aguarde 24 hrs.
  10. No dia seguinte o iogurte estará pronto. Não fica tão espesso como o iogurte feito com leite de vaca, mas fica bem gostoso.

Observações:

  • Já cometi o erro de usar a colher de metal para mexer e o iogurte e no dia seguinte não tinha iogurte nenhum, apenas o leite;
  • Já tentei fazer com o mel ao invés de usar o açúcar mascavo e ficou horroroso, com um gosto amargo e terrível;
  • Esse iogurte pode ser feito com qualquer outro leite vegetal, ou até mesmo com a mistura de vários leites vegetais;
  • Lembre-se que os probióticos se alimentam do açúcar porisso adocei o leite antes de acrescentar os nossos amiguinhos;
  • Se quiser deixar o iogurte mais grosso, antes de esquentar o leite acrescente 1 ou 2 colheres de “agar agar” (vende nos mercados em pacotinhos, a gelatina feita de alga), e então esquente o leite, e siga os outros procedimentos listados acima. OU se preferir não usar o “agar agar” pode fazer o iogurte e depois que estiver pronto, acrescente a CHIA, e então o iogurte em poucos minutos ficará mais espesso =)
  • Para quem tiver curiosidade: Eu misturei o meu com uvas passas, amêndoas, sementes de girassol, aveia, sementes de linhaça e coloquei 1 pacotinho de “wheatgrass” – aquela grama do trigo – e bati tudo no liqüidificador! Ficou delicioso! Vou experimentar colocar na minha vitamina verde da próxima vez,  para ver como que fica  😀

Quem disse que os 100% vegetarianos não tomam iogurte?  

Vitamina VERDE ** 3 receitas!

Imagem

Atualmente estamos vendo por toda parte muitas e muitas receitas de sucos verdes. Na verdade, tudo o que precisamos é de um liqüidificador e criatividade para combinar os sabores de uma forma que fique mais agradável para o nosso paladar, sem comprometer os benefícios que o suco verde trará para o nosso corpo.

Eis os benefícios: Antioxidante / Melhora a Circulação Sanguínea / Desintoxicante / Aumenta a Energia / Hidrata e Nutre o corpo de dentro para fora / Como contém Clorofila, o corpo é auxiliado na expulsão de poluentes / Regula o PH do sangue / diminui a fadiga / retarda o envelhecimento / dificulta o aumento de peso / fortalece os músculos / Uma Bomba de Vitaminas em um copo.

A alguns anos eu ouvi falar sobre esse suco famoso, que estava praticamente curando pessoas com “trombose” no Brasil, e eu resolvi pesquisar para saber os ingredientes.  Nesse suco não vai água, senão a que sai dos próprios ingredientes adicionados em ordem, para facilitar a batida do liquidificador. São esses:

  • Pepino 1 – o primeiro a ser colocado no liquid. pois possui mais água.
  • Maçã 1 – o próximo a ser colocado pois também tem bastante água.
  • Verduras (orgânicas) – pode ser espinafre, couve, almeirão, folhas verdes escuras em geral.
  • Cenoura 1 – a cenoura é opcional, serve mais para ajudar a mexer os outros ingredientes (como se fosse uma colher) a fim de facilitar a batida.
  • Sementes germinadas (quinoa, ou girassol, ou amêndoa, ou trigo, ou gergelim). 1 copo – último ingrediente a ser acrescentado.

Para drenar o líquido e separar o bagaço pode-se usar um coador de pano, coador de queijo, ou o que for mais fácil.

Confesso que eu fiz algumas vezes mas fiquei um pouco desmotivada devido ao sabor que não se deu muito bem com a minha língua sabe?!

Então eu fiz muitas pesquisas e percebi que o suco verde tem uma base e depois dessa base pode ser acrescentado algum outro ingrediente  – tem gente que acrescenta gengibre, limão, sal – para dar mais sabor. E foi o que eu fiz. E o meu suco verde matinal se transformou na Vitamina Verde =)

Essa vitamina eu faço todos os dias de manhã, e fico completamente satisfeita até dar o horário do meu almoço.

E consiste em 2 etapas simples:

Imagem

Primeiro eu bato com um pouquinho de água os ingredientes da Primeira Etapa, que são basicamente o pepino, cenoura, folhas verdes que estão disponíveis em casa, se tiver maçã eu coloco, no caso hoje não tinha então eu fiz com o que eu tinha. Alguma erva, pode ser qualquer uma, hoje eu usei o coentro e o estragão. E se tiver em casa, uso alguma semente germinada. Quando tem beterraba eu coloco também, aí o suco fica rosa =)

Em seguida eu dreno o suco e separo os resíduos para aproveitar depois!

Imagem

Agora ficou simples! Voltei o líquido coado para o liqüidificador com os ingredientes da Segunda Etapa, bati até parar de ouvir o barulho das castanhas sendo moídas, e pronto! Fica consistente como uma vitamina, tanto pela banana como pela “aveia” que deixa o líquido bem mais espesso.

Imagem

Está pronto!

* Note que o pepino deixa o sabor do suco bem mais suave (pois as folhas e os germinados podem deixar o sabor do suco amargo), e é rico em colágeno então eu faço questão de usar muito esse ingrediente nos meus sucos e vitaminas verdes. E todos os ingredientes da Segunda etapa complementam, deixando bem saborosa a vitamina!


 

Mas e agora, o que fazer com o resíduo que sobrou da primeira etapa?

Imagem

Ali eu misturei:

  • 1 copo e meio de farinha “integral”
  • 2 colheres de sopa de azeite de oliva extra virgem
  • 1 pitada de sal
  • 1 pitada de açúcar
  • gergelim preto (dá um sabor especial para massas!)
  • resíduos do leite de soja que eu fiz (opcional, pois eu já fiz sem, e fica gostoso do mesmo jeito)
  • 1 colher de chá de fermento químico (não é para crescer, e sim deixar a massa macia)
  • 1 colher de chá de bicarbonato de sódio (idem)

Imagem

A massa ficou levemente gelatinosa (por causa do pepino), fácil de modelar, mas não ficou dura! Mudei para um recipiente de vidro e deixe a massa descansar por pelo menos 1 hora — a massa não cresce, e sim fica bem porosa e macia.


 

-> Com uma parte da massa, eu fiz pequenos discos finos (de 1/2 – 1 cm) e assei na frigideira (não precisa untar se for de material não aderente).

Imagem

Para fazer os discos eu usei apenas a mão (porisso não ficou “exatamente” redondo), pois é impossível abrir essa massa com o rolo pois gruda tudo! Mas é muito fácil de manusear, pois incrivelmente não fica grudando na mão.

A massa assada na frigideira, ficou semelhante ao pão árabe porém bem mais maleável, fácil de dobrar, bem saborosa (devido ao resíduo dos veggies). Ficou um pão bem interessante, que vai muito bem com saladas, ou com o recheio que preferir.


Com o restante da massa, eu cozinhei na panela, como se fosse fazer polenta dura ou massa de coxinha! Aliás, depois de cozida, a consistência fica muito igual a massa de coxinha! Só que verde =) Olha só:

Imagem

Então ficou super fácil abrir a massa com o rolo para então fazer os bolinhos! Esses bolinhos eu cozinhei ao vapor, e para o recheio eu fiz assim:

1 tomate – 4 dentes de alho – 1 cebola – cebolinha – sal – manjericão – uma pitada de açafrão. Piquei tudo e refoguei sem óleo ou água,  se tiver óleo ou água no recheio, fica impossível de fechar os bolinhos para cozinhar. (você pode usar qualquer recheio de sua preferência, mas não use óleo ou água, como já foi falado.)

Imagem

Deixei no vapor por 20 minutos, mas pode-se muito bem deixar por 15 minutos, pois o recheio e a massa já foram cozidos. Note que coloquei os bolinhos sobre folhas de escarola, para não grudar na superfície de acrílico.

O resultado ficou delicioso, principalmente para quem gosta de um sabor agridoce como eu. E os veggies da vitamina verde me serviram de “café da manhã” e almoço  😀

Espero que gostem!  =)

Bibimbap Vegetariano (Cozinha Coreana)

Imagem

O Bibimbap é um prato tradicional Coreano, que literalmente significa: Arroz Misturado!

A primeira vez que eu comi o Bibimbap foi na capital da Coréia do Sul – Seul –  e eu me apaixonei por esse prato logo na primeira palitada (poderia dizer garfada, mas comi de palitinho)  😀

Consiste basicamente em arroz cozido (sem óleo nenhum, sem sal, para ficar mais aderente para se comer com palito), e alguns vegetais no vapor (ou cozidos), outros ao natural (cru), algas, cogumelos, carnes, peixes, ovo frito, etc. (os 3 últimos ingredientes não se aplica aqui).

Esse prato é acompanhado por Kimchi (eu faço o meu em casa, vou ensinar nas próximas publicações) que é um fermentado natural de repolho chinês com vários vegetais, um alimento probiótico muito saudável que auxilia na digestão e é delicioso!

Também usam para acompanhar o prato uma pasta feita de pimenta vermelha (para quem gosta de comida super ultra apimentada, o que eu não recomendo), usam o picles, e também o azeite de gergelim.

Sempre que eu faço em casa eu combino ingredientes diferentes, pois esse prato é bem versátil!

Nesta receita, eu fiz o arroz cozido com Açafrão para ficar colorido 🙂

Imagem  (Antioxidante, anti-inflamatório, anti-depressivo, anti-câncer, anti-alzheimer, etc.)

Em seguida eu separei os vegetais que eu iria fazer no vapor (pode fazer cozido na água até ficar “ao dente”) e os vegetais que eu iria apenas usar na forma crua.

Imagem

Então é só montar o prato em uma vasilha funda (não recomendo o uso de vasilha plástica):

ImagemImagem

O segredo no Bibimbap na verdade, é a montagem! Na base vai o arroz, e o restante dos “veggies” sobre o arroz. Mas não misture! Apenas a pessoa que vai comer é que mistura tudo por si mesma, temperando e acrescentando kimchi ou o azeite como quiser.

Uma vasilha funda por pessoa ok?! Tem que estar com FOME, recomendo para o almoço   😀

ImagemImagem

E o resultado, depois de misturado fica muito atraente! E delicioso =)

ImagemEspero que gostem, e se fizerem com outros ingredientes, compartilhe aqui para todos(as) também experimentarem a tua receita de Bibimbap  😀

 

A gordura no lugar certo!

Imagem

Em praticamente todas as refeições algum tipo de óleo, ou gordura, é consumido. Mesmo se não for adicionado algum óleo nos alimentos, mesmo assim algum ingrediente possui em sua constituição algum tipo óleo, ou gordura (ômega 3, ômega 6 são gorduras!)

Um conhecido meu há alguns anos atrás me disse assim: “se você colocou a comida na boca e for gostosa, cospe porque engorda!” 😀 Mas existe aquela pergunta que poucos sabem responder: Para que serve a gordura? Por que é tão gostosa?

Antes de responder, vou fazer outra pergunta: por que quando somos crianças gostamos absurdamente de doces e depois quando crescemos passamos a não gostar tanto assim de doce?

O conceito das 2 perguntas é o mesmo! O nosso corpo precisa de energia. Sem contar as outras necessidades do nosso organismo, mas comemos para viver! Para viver precisamos de muitos nutrientes, vitaminas, minerais e ENERGIA! Sem energia a casa fica escura certo?

O açúcar e o óleo ou gordura geram energia para o nosso corpo! Ambos são ricos em calorias, calorias são queimadas para gerar energia! O acúmulo excessivo de calorias gera o “armazenamento”, em outras palavras, o nosso corpo guarda essas fontes de energia para usar em uma outra ocasião, e então os pneus na barriga, na cintura, as gorduras nos braços, entre os órgãos do nosso corpo começam a surgir.

O açúcar é quebrado mais facilmente pelo nosso sistema, gerando aquela energia rápida! Crianças como ainda possuem o corpo em formação, precisam de algo rápido e simples de ser quebrado no processo digestivo para gerar energia, pois elas NÃO PARAM QUIETAS! Precisam de muita energia!

O óleo, as gorduras são “ingredientes” mais complexos, exigem mais do nosso corpo para serem quebrados para gerar energia, e o fígado entra nesse processo de quebra! Porisso os adultos, com um corpo formado são capazes de quebrar melhor a gordura como fonte de energia e assim não sentem tanta necessidade do açúcar, e sim de alimentos com óleo.

Quando combinamos alimentos doces com a gordura, por exemplo –  bolos, massas folhadas, sorvetes, pudim, pães doces, chocolate ao leite, entre outros – o nosso corpo quebra o que é mais fácil e rápido para gerar energia –> O AÇÚCAR <– e armazena as gorduras!

Porisso, para quem está afim de perder uns kilinhos aqui vai um conselho de amiga: NÃO COMA DOCE APÓS O ALMOÇO OU QUALQUER OUTRA REFEIÇÃO, (conselho de quem já foi acima do peso e já fez 1000 regimes diferentes) mesmo que seja uma pequena quantidade, pois acontecerá exatamente isso com o teu corpo. 1 bombom gera energia para todo um treino em uma academia… 1 bombom combinado com um almoço inteiro, o que você acha que vai acontecer com o restante de gorduras que foram consumidas antes do “1 bombom”?

Se sentir muita vontade de comer doce após a refeição, coma algumas amêndoas que a vontade vai embora. E lembre-se que levamos 21 dias para criar um hábito, então após esse período será mais fácil de resistir ao açúcar após as refeições.

Agora uma coisa muito importante: A gordura é extremamente importante para o cérebro! Não se engane pensando que cortando as gorduras de sua alimentação o corpo ficará mais saudável! MITO!

O nosso cérebro é composto em aproximadamente 60% de GORDURAS!

Pesquisas foram feitas e descobriram que depois da campanha ao combate ao colesterol (LDL) aumentou o índice de pessoas com doenças cerebrais degenerativas ao longo dos anos, como o mal de alzheimer e de parkinson e dementia.

-> O que as pessoas precisam saber, é que o problema não é a gordura saturada e sim a famosa gordura TRANS. Ela é uma gordura vegetal que endurece, se solidifica porisso tem a capacidade de bloquear os nossos vasos sanguíneos, gerando doenças cardíacas, derrame, diabetes 2, etc. e é responsável pelo aumento da gordura LDL (a gordura malvada que aumenta o nosso colesterol), e diminui a gordura boa HDL!

-> As vitaminas A, D, E e K são solúveis comente no óleo, ou seja, no processo digestivo o óleo é necessário para a absorção destas vitaminas, e é fundamental para outros processos digestivos.

As pessoas começaram a cortar os produtos com as gorduras sem saber para o que serve, e então o corpo ficou sem esse precioso ingrediente para a saúde!

As gorduras boas podem ser encontradas nestes ingredientes:

  • Abacate, azeite de oliva, óleo de coco, todo tipo de castanha CRUA, e todo óleo de castanha CRUA. 

–> Agora precisamos saber como usar essas gorduras!

  • Não faça o uso de qualquer tipo de castanha TORRADA e salgada! Por favor! As castanhas são ricas em gorduras, gorduras boas para o nosso corpo, porém quando são torradas, a gordura vira TRANS. Aí já era! A gordura boa foi danificada!
  • Use castanhas cruas, óleo de castanhas sem aquecer! Use em saladas, no pão, em patês frios…
  • Faça o uso de leite vegetal, sem aquecer! Fica uma delícia em Vitaminas.
  • Use o abacate, como já vimos essa fruta é uma bomba de vitaminas e fica maravilhosa combinada com outras frutas ou saladas e sanduíches.
  • AZEITE DE OLIVA! Use o extra virgin, quanto menor a acidez, melhor o azeite é! Ele tem propriedades anti-inflamatórias o que é ótimo para os nossos vasos sanguíneos e fica maravilhoso em saladas, no pão, em tudo!
  • Para cozinhar, recomenda-se o óleo de coco, pois é o óleo que menos é alterado quando aquecido.
  • Evite o óleo de canola e outros óleos para cozinhar (não falo do azeite nem o óleo de coco). Esses óleos são alterados quando aquecidos e vão prejudicar a tua saúde.
  • Evite frituras, comidas engorduradas, massas folhadas, chocolate, bolachinhas doces compradas no mercado, salgadinhos etc… além de possuírem a gordura trans, estão cheios de químicos e preservativos que NÃO NUTREM o teu corpo.
  • Use a semente de linhaça, a semente de girassol, chia, pois são ricas nas gorduras tipo ômega 3, e essas gorduras são essenciais para o nosso cérebro: ajuda a combater as doenças cardíacas, diabetes, depressão, doenças cerebrais degenerativas, câncer, artrite. Promovem a boa concentração, nível de energia do corpo, resistência à doenças como a gripe e o resfriado, ajuda na gravidez,  etc.
  • Para os não vegetarianos: use a manteiga ORGÂNICA, leite ORGÂNICO, iogurte natural e a gema do ovo ORGÂNICO. Mas use com parcimônia. Possuem também as gorduras boas e necessárias para o nosso corpo, mas é preciso muita atenção. Porque orgânico? Muitas das rações dadas às vacas como sabemos, não são boas, cheias de hormônios, e compostas de ingredientes que você não vai querer saber! Os produtos orgânicos, são extraídos das vacas que comem apenas o PASTO (o colonhão e outras iguarias do campo que elas amam!)
  • Procure não cozinhar com óleo.  Se for indispensável para o prato que está preparando, use um pouco de azeite ou o óleo de coco. Os outros óleos são alterados com o calor, e uma vez que alterados ao invés de nutrir, eles atrapalham a absorção de vitaminas e óleos essenciais para o nosso corpo.
  • Para combinar com as gorduras, use muita fibra, muita salada, tenha uma dieta balanceada; e fome, eu te garanto, você não vai sentir.
  • Saiba que as sobremesas que vão óleo e açúcar não alimentam, e estragam a tua saúde, deixando o corpo ácido.  São cheias de gorduras trans, prejudicam todo o processo digestivo, e sobrecarregam o teu fígado e o teu corpo, e estão cheias de toxinas.

No início podemos ficar chocados pois é comum usar em nossas cozinhas qualquer tipo de óleo, como o de soja, ou de girassol e canola. Nas propagandas de televisão eles falam muitas e muitas coisas e normalmente acreditamos…

Uma vez que a substituição é feita em nossas cozinhas, eu garanto que até o sabor dos alimentos fica melhor!

Tenha em mente que quando a posição de “cozinheiro(a)”  é assumido, a pessoa possui uma grande responsabilidade pela saúde da família, e ali pode sair a vida ou as doenças.

E aí, vai fazer da gordura o teu herói ou o vilão? 🙂

 

Imagem por “Ernie Schnell